No ano letivo 2014/2015, somos a sala H da Escola Básica Nuno Álvares em Carregal do Sal!!

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Nem tudo são rosas...

Há dias e dias. Hoje foi um daqueles em que as coisas não correram bem.
É certo que várias vezes já referi que o grupo de crianças que tenho não é fácil, por isso experimentam-se metodologias, estratégias e por vezes nada parece resultar...
Mas o que verdadeiramente me preocupa são as questões de formação pessoal e social, continuam a agredir-se frequentemente na disputa de objectos e espaço, algo que já não deveria acontecer nesta altura do ano. Quando parece que estamos a "crescer" enquanto grupo... há retrocessos.
Continuaremos a insistir, insistir na tolerância para com os outros, no direito à diferença, na partilha efectiva de tudo, na aceitação dos diferentes níveis de desenvolvimento de todas as crianças, no direito de brincar, de crescer feliz sem magoar e sem ser magoado...em questões de conduta social, pois todos temos que viver em sociedade...é preciso insistir, incentivar, elogiar, acarinhar, saber dizer "sim" e NÃO!!
As crianças precisam entender que há hierarquias, que há adultos e crianças e que "quem manda" são os adultos, não as crianças. (Que se conste nunca ninguém ficou traumatizado por ouvir dizer "não")
Vá lá gente crescida... se todos ajudarmos nesta árdua tarefa que é educar, em que não há receitas mágicas nem pozinhos de perlimpimpim mas em que todos caminhamos num só sentido, tudo será mais fácil e produtivo.
Por hoje chega. A mesa está cheia de livros à minha espera e os prazos de entrega dos trabalhos de mestrado estão a terminar...avizinha-se um fim de semana muiiiiitooooo trabalhoso.

8 comentários:

Fátima Lares disse...

Concordo contigo Cristina, todos têm que caminhar no mesmo sentido...
Não pode ser o trabalho isolado da Educadora, do Jardim-de--infância.
Os Pais/Encaregados de educação têm um papel fundamental. Em casa é que começa a Educação !!!
É fundamental um trabalho de parceria entre a Familia eo Jardim-de-infância.
Não desânimes ... foi um dia menos bom, outros melhores hão-de vir.
Continua a dar miminhos e a dar Nãos quando faz falta.
Bjs
Fátinha

teresa disse...

É verdade, Cristina...a educação começa na família/em casa...a escola nunca poderá substituir a família. Há regras a cumprir, estabelecidas em sociedade, por grupos, sejam eles quais forem; há que respeitar essas mesmas regras,sabendo que há "multas"/"sanções" para quem não as cumprir e que existe também uma hierarquia, senão impera a anarquia e ninguém se entende. Importa salientar aqui a importância do trabalho de equipa/parceria com a família, apoiando o Educador de Infância em todo o processo educativo, num diálogo constante.
o "Não" existe tal como o "Sim" e a nossa vida (a das crianças e adultos) é também feita de contrariedades, de avanços e retrocessos, de aprendizagens...FORÇA!!!
Continuação de bom trabalho e bom fim de semana
bj Teresa Rebelo

Assunção e Natércia disse...

Se eu te compreendo!...
Este recomeço, não está fácil!...
As questões relacionadas com o comportamento estão a ser difíceis de resolver!
Muitas estratégias... mas os resultados nem sempre são os melhores! A entrada de uma nova criança também não tem ajudado!
Força para continuarmos a ajudar as crianças a crescerem. Beijinhos Natércia

Maria da Luz Borges disse...

O problema é sempre o mesmo: Dizer NÂO, não é nada fácil, contráriamente ao sim. Como é que se pode esperar dos filhos que saibam lidar com as frustrações se muitos dos pais das nossas crianças já não o conseguem fazer?
Como esperar deles um comportamento coerente se os Pais, que deveriam ser o modelo, também não são coerentes?
Continuação de bom trabalho, Cristina, e espero que este bocado de "mau tempo" passe e que eles percebam que estão na escola e que na escola é diferente.
Bom trabalho.
Luz

Cristina Lares disse...

Obrigado colegas/amigas pelas palavras de animo e incentivo que aqui deixaram. Sei que não estou sózinha nesta longa caminhada e que muitas de nós temos o mesmo "problema".
Felizmente estamos na profissão que escolhemos, o que nos faz ter "força" para ajudar as nossas crianças a crescer.

Anónimo disse...

Nâo é fácil.....Melhores dias viram não desista e não perca a esperança....Força
Tânia

Cristina Lares disse...

Disistir Tânia? Nunca!! Essa palavra não faz parte dos meus planos. Além de que não será caso para tanto...
Bjitossssssssss

Anónimo disse...

REALMENTE É VERDADE SÓ É PENA QUE NEM TODOS INTERPRETEM DESSA MANEIRA INFELIZMENTE POR FALTA DE TEMPO OU OUTROS MOTIVOS ACHAM QUE A ESCOLA TEM QUE FAZER TUDO E NAO PODE SER A BASE VAI DE CASA EMBORA NEM SEMPRE TUDO AQUILO QUE SE PRETENDE SEJA CONSEGUIDO. ACHO LAMENTAVEL QUE ALGUNS PAIS INTERPRETEM MAL O QUE FOI ESCRITO SE CALHAR SE DESSEM MAIS ATENÇAO AQUILO QUE REALMENTE IMPORTA NAO TERIAM ESTA ATITUDE. A VIDA É DEMASIADO CURTA PARA SE ARRANJAREM "BIRRAS" QUE NO FUNDO PROJUDICAM TODOS. VAMOS LA TODOS TENTAR SERMOS UM PUCO MELHORES.